Seg, 18 de Dezembro de 2017
NEGOCIO DA CHINA.
Escrito por Márcio Alvarenga    Ter, 02 de Agosto de 2011 12:58    PDF Imprimir E-mail
Uma expressão que surgiu muito antes da China promover as "quatro modernizações "preconizada pelo lider Deng Xiaoping por volta de 1978. Ainda hoje muitas pessoas se arvoram em confiar na intuição na certeza de que estão diante de um novo negocio da China. O Sebrae está por aí confirmando que a taxa de mortalidade de novas empresas continua alta nos primeiros doze meses de atividade. Uma das principais causas do insucesso está relacionado a falta de planejamento prévio, que também poderia ser entendido como ausencia  de pesquisa para se conhecer as possibilidades de sobrevivência do negócio, num mercado altamente competitivo e muitas vezes predatório. Claro que a pesquisa não consiste numa simples investigação de uma finalidade, mas de um conjunto de objetivos que representa o próprio negócio. Na verdade, quando se trata de obter informações ninguem pode reclamar do custo destas, isso desde o mais alto executivo até o mais humilde empregado. A pesquisa é capaz de oferecer as respostas que um empreendedor gostaria de saber, como tamanho do mercado, aceitação e rejeição do produto, perfil do consumidor e como promover o seu negócio com objetivo de torná-lo rentável e sobretudo, ter capacidade de sobrevivência. Por outro lado, tem aquele empresário que confiava na sua intuição, montou o negócio e depois quebrou a cara, pois insistiu em caminhar no escuro. Bem por isso, vale a frase do filósofo chines Confucio: "Mais vale acender uma vela, do que amaldiçoar a escuridão". Então, a pesquisa é isso, ela é a vela que ilumina a escuridão mostrando o caminho que deve ser seguido.
Última atualização ( Ter, 02 de Agosto de 2011 13:24 )
 

Programa Trocando em Miudos     Sebrae      Portal do Investidor      INEP      Ipea      IBGE      Fundação Getúlio Vargas